Miguel Braz

O meu nome é Miguel Braz, Sou Designer Gráfico, Ilustrador e Pintor. Encontrem-me no Behance e Facebook.

Portuguese English
04
Fev.2015

Casa Manuel Guimarães

Escrito por Ler 3362 vezes

 

Entre a pintura e a ilustração
O traço perfeitamente reconhecível e a fluidez que percorre
a tela, numa dança não coreografada, mas que vai ganhando
forma à medida que a tinta vai ocupando o seu espaço,
criando uma textura muito própria, resultam numa quase
marca d’água destes fragmentos.
“Vestígios do tempo” é a súmula de uma viagem que começou
em 2004, no tempo em que o movimento dominava o correr
da tinta e as cores fortes preenchiam os espaços livres,
criando um impacto visual algo gráfico, mas ao mesmo
tempo ilustrativo.
A reunião destas obras acaba por ter um significado especial,
uma vez que determina o fim de um ciclo. Uma fase de
transição, por assim dizer, em que da aprendizagem se
inventarão novas formas gráficas e diferentes maneiras de
preencher os espaços livres.
04
Fev.2015

http://cafeparaisotomar.com/

São poucos os estabelecimentos comerciais que sobrevivem a um século de vida… são poucos, mas de entre eles encontramos o Café Paraíso de Tomar. Situado em pleno centro histórico da cidade, servindo de atracção aos que passam, ergue-se este espaço centenário inaugurado nos idos anos da instauração da República Portuguesa, a 20 de Maio de 1911.
Há cem anos, o Café Paraíso trouxe a Tomar um toque de novidade - “O Café é montado à moderna e ficará sendo o melhor da nossa cidade”, escrevia-se então no jornal “A Verdade”. O novo espaço pertencia à “Empreza do Paraízo de Thomar” fundada por cinco sócios amigos. Um deles, Manuel Cândido da Mota, viria a tornar-se mais tarde no único proprietário do café, e é sob a sua gestão que começam a vender-se os “sorvetes”, gelo ou vários vinhos “do Porto, Madeira, Bucellas, Collares, Verde d’Amarante, Carcavellos, Cognacs, Licores, Champagne” como se pode testemunhar nos anúncios publicados na imprensa local da época.
Em 1946 realizam-se as obras de remodelação. Sem fechar portas à clientela, fizeram-se mudanças profundas. As portas ogivais deram lugar a uma extensa montra. As colunas de ferro foram forradas a imitação de mármore. Nas paredes, em vez do papel de fantasia, passaram a brilhar os reflexos das dezenas de espelhos importados de Itália e no tecto começaram a girar duas ventoinhas gigantes, que hoje são a imagem de marca do “Paraíso”. Dois anos mais tarde, em 1948, é inaugurado o salão de bilhar. Nesta altura, Manuel Mota Grego, sobrinho de Cândido da Mota (entretanto falecido em pleno café a 18 de Maio de 1935), estava à frente dos destinos do café. Foi ele o responsável pela arquitectura elegante que ainda hoje ali se pode encontrar.

Manuel Mota Grego falece em 1982, mas o “Paraíso” continua sob gestão familiar. Duas mulheres, Maria do Rosário Alves Grego e Maria Luísa Alves Grego, mãe e filha, mantêm o estabelecimento em pleno funcionamento e zelam pela conservação do seu espólio.

A última grande transformação do Café Paraíso foi promovida pela actual gerência. Desta vez, a quarta geração Mota Grego (a partir de 1993), formada por Alexandra Grego e Pedro Santos, optou por dar “nova vida” ao estabelecimento, abrindo as portas à noite, até às 2h00. Em 2000 o café sofre ainda obras de restauro e algumas mudanças, como o alongar do balcão.

Durante cem anos este património da cultura tomarense testemunhou o evoluir da cidade e da região, acolheu tertúlias e serviu de ponte entre gerações. Acolheu dezenas de personalidades, como o compositor Fernando Lopes-Graça, o escritor tomarense “Nini” Ferreira ou o mais afamado escritor italiano Umberto Eco. Também eles se encantaram pelo ambiente calmo, durante o dia, ideal para dedicar tempo à arte através da leitura de um livro ou a estar informado com os jornais. No entanto, agora quando o sol se põe, o tempo acelera para a última bica do dia ou o primeiro copo da noite. E continuam as conversas, os reencontros e o prazer de reentrar no Café Paraíso.

Textos: Justo Realce - Comunicação e Eventos, Lda.

Nesta altura, Manuel Mota Grego, sobrinho de Cândido da Mota (entretanto falecido em pleno café a 18 de Maio de 1935), estava à frente dos destinos do café. Foi ele o responsável pela arquitectura elegante que ainda hoje ali se pode encontrar.

Manuel Mota Grego falece em 1982, mas o “Paraíso” continua sob gestão familiar. Duas mulheres, Maria do Rosário Alves Grego e Maria Luísa Alves Grego, mãe e filha, mantêm o estabelecimento em pleno funcionamento e zelam pela conservação do seu espólio.

03
Fev.2015

Joaquim Lourenço

Escrito por Ler 1905 vezes

Joaquim Lourenço, membro fundador do Artever, continua ainda dedicado a essa também forma de cidadania que é o associativismo. Associativismo despojado de materialidade, dedicado à partilha, ao ensinamento e à promoção das artes. A exposição que aqui apresenta, representa bem a sensibilidade de alguém que entende a Arte como um todo, que a vê no mais pequeno pormenor da vida mundana, quotidiana. No fundo, em tudo o que nos rodeia. Estes sinais urbanos que o autor “reciclou” na tela, transformando-os, dando-lhes nova vida, fazem parte da nossa existência diária. Assim tenhamos a sensibilidade para neles reparar, e neles conseguirmos ver um pouco de Arte.

03
Fev.2015

Mariola Landowska

Escrito por Ler 2440 vezes

Mariola Landowska é uma verdadeira ponte entre culturas, que não só a lusófona. Porque se percebe a grande paixão, pela vivência primitiva e tribal do ser humano em comunhão com a Terra-Mãe, porque as suas obras transbordam de cor, movimento, alegria e comunhão – elementos fundamentais da culturalidade e do sentimento lusófonos – e porque é sempre interessante ver como alguém que nasceu numa realidade diferente, se apropria, de forma tão apaixonante, da cultura e da alma de um povo. Esta mostra, sobre esse local fascinante que é a Amazónia, terra de fertilidade desde que o tempo é tempo, transporta-nos para um mundo imaginário que muitas vezes pensamos não existir. Um mundo onde os rios e os pásaros, as árvores e os peixes, o céu imenso e o ser humano, vivem resguardados dessa inevitabilidade a que chamamos modernidade.

03
Fev.2015

Boavida Amaro

Escrito por Ler 1960 vezes
03
Fev.2015

Fernando Relvas

Escrito por Ler 1799 vezes
Pág. 1 de 18